Hermó

Espaço de reflexão Hermógenes de Castro & Mello

Deutsch Version hermo@hermo.com.br

Artigo nº 959 - 17/10/2018

No cair das fichas.

A pensar em destino político, vejo o Brasil nos últimos 60 anos não foi exatamente abençoado. Mas em se tratando de rotina, talvez seja isso mesmo o que desejamos, nós fazemos nosso cruel destino.

Desde esbanjadores inconsequentes como nos anos 1950, esquerdistas fazendeiros de posição dúbia, militares raivosos de 64-85, um civil a morrer antes da posse, um vice a assumir a levar-nos a brutal inflação com métodos de coronel nordestino, um maluco sem medida a seguir, após algum tempo de paz até o erro crucial do partido no comando, em indicar e eleger uma burocrata sem méritos e nenhuma habilidade.

E agora nos confrontando com um ex-militar da ultra-direita de discurso perigoso, racista, sexista e inconsequente, que jamais ocupou qualquer cargo administrativo em sua vida.

Pior, homem que se eleito e empossado, já pede licença para afastar-se a operar as seqüelas de ataque sofrido. Pouco a fazer.

Veremos.

De qualquer sorte o esfriamento econômico, os 13 milhões de desempregados e o desinteresse de investir-se por cá é algo que quem assume deverá enfrentar.

A ser forte, disposto e corajoso.

No cargo não vale mais bravata e discurso de força.

Tem que fazer e bem feito.

E para aqueles novamente decepcionados com o que se apresenta, aqui em Macunaímalândia, sobra o voto em branco, nulo ou ausente.

Pelo menos não se futuca e cutuca a complexidade do "porque fui votar no..."

Caso eleito, logo em ínicio de mandato a se afastar para reoperar seqüelas do ataque...

Comentários

(envie um comentário)

Seja o primeiro a comentar este artigo.