Hermó

Espaço de reflexão Hermógenes de Castro & Mello

Deutsch Version hermo@hermo.com.br

Artigo nº 1010 - 10/08/2020

Odara

Por Erica Silva Teixeira, de Salvador

Dei sorte de nascer na Bahia. Mais sorte ainda de vir a esse mundo exatamente na mesma época que homens tão geniais e únicos como Caetano.

Ontem, em sua famigerada "live", uma das músicas tocadas foi "Odara".

Pouca gente sabe, mas essa palavra tem um significado muito próprio.

O dicionário fala assim:

adjetivo de dois gêneros

BRASILEIRISMO•BRASIL - palavra- que qualifica com atributos positivos: belo, bom, excelente etc."um sujeito o.; advérbio de maneira conveniente, em boas condições, confortavelmente."ficar o."

Indo um pouco mais afundo, sua origem rememora duas histórias - ambas com um sentido muito simbólico: a primeira, do hindu. Seria um toponímico, cuja variação seria “Odra”, que é linguagem advinda do sânscrito. Em outras traduções, "aquele que habita o norte da Índia". O termo foi mencionado em um conto épico da Índia intitulado Mahabharata, que são escrituras sagradas do hinduísmo.

Já a segunda fala de nossas raízes. Pertencente à linguagem iorubá (dialeto africano) deriva da expressão “o dara”: o que é bom, belo, majestoso. Muito usada no candomblé, também representa um exu, que seria o infinito, abrindo os caminhos de seus filhos.

Fica muito fácil saber qual o objetivo de caetano ao dizer:

deixa eu dançar

pro meu corpo ficar odara

minha cara

minha cuca ficar odara

deixa eu cantar

que é pro mundo ficar odara

pra ficar tudo joia rara

qualquer coisa que se sonhara

canto e danço que dara

Não temos como negar nossas raízes. Elas falam mais que nossa própria língua - e através dela. Na dança, na melodia e na nossa cultura: um eterno e infinito mosaico de muitas outras histórias e povos.

Obrigada, Caê.

Dos nossos maiores intérpretes e compositores. Caetano.

Comentários

(envie um comentário)

Pedro - 11/08/2020 (09:08)

Excelente blog. Adoro te acompanhar!